News

Negócio de bicicletas compartilhadas cresce no mundo

Alguns meses depois que o Uber adquiriu a Jump, seu maior concorrente, a Lyft, empresa de transporte compartilhado, revelou que está apostando também no compartilhamento de bicicletas.

Frota mundial de bikes para uso público aumenta de 950 mil para 18,2 milhões entre 2014 e 2018

Na segunda-feira (2), a empresa anunciou a aquisição da Motivate, uma das principais do setor nos Estados Unidos.

Segundo a Lyft, 80% de todas as viagens feitas em bicicletascompartilhadas no país foram feitas por sistemas operados pela Motivate, como o Citi Bike, em Nova York, e o programa GoBike, da Ford, em São Francisco. “A Lyft e a Motivate estão comprometidas há anos com o mesmo objetivo: reduzir a necessidade de ter carros particulares, oferecendo meios confiáveis ​​e acessíveis para se locomover em nossas cidades”, explicou John Zimmer, co-fundador e presidente da Lyft em um comunicado, acrescentando que o compartilhamento de bicicletas “é uma extensão natural da abordagem principal do Lyft para melhorar o acesso ao transporte por meio de ofertas como passeios compartilhados e a integração do transporte público em nosso aplicativo”.

Muitas metrópoles tentam amenizar os congestionamento e a poluição reduzindo o número de carros nas ruas do centro. A melhoria da infraestrutura para a circulação de bicicletas e o lançamento de novos programas de compartilhamento incentivam as pessoas, cada vez mais, a deixarem o carro em casa. Em maio de 2018, mais de 1.600 programas de compartilhamento de bicicletas estavam em operação em todo o mundo, fornecendo mais de 18 milhões de veículos de duas rodas do tipo para uso público.

No Brasil, os fundadores do 99 Taxi, Ariel Lambrecht e Renato Freitas, venderam a empresa, a principal concorrente do Uber Brasil, em 3 de janeiro deste ano, à chinesa Didi Chixing por quase US$ 260 milhões. Após a operação, eles então se uniram ao ex-presidente da Caloi, Eduardo Musa, e decidiram apostar em outro meio de transporte: as bicicletas. O empreendimento da vez é a Yellow, um aplicativo de compartilhamento de bikes que começará a funcionar ainda este mês em São Paulo.

Outra iniciativa local para locomoção sobre duas rodas é o Bike Itaú, criada pela instituição financeira e, atualmente, disponível em cinco capitais brasileiras. As bicicletas podem ser alugadas em planos diários até anuais e o valores variam entre R$5 e R$8,00 (diária) e R$160,00 (anual) – postos espalhados pelas cidades permitem a retirada e devolução do equipamento. Durante a Copa do Mundo, a ação foi incrementada e o uso das bikes passou a ser gratuito nos dias de jogos do Brasil.

Um estudo feito pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH-USP) junto ao Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e à Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, em colaboração com a Universidade de Melbourne, na Austrália, demonstrou que pessoas residentes em áreas próximas às ciclovias de São Paulo têm 154% de chance de usarem a bicicleta como meio de transporte. A pesquisa foi realizada com dados do Inquérito de Saúde de São Paulo (ISA) com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, em 2015, e publicada na revista “International Journal of Environment Research and Public Health”.

 

Fonte: Uol



Publicado em: 31/07/2018 - Atualizado em: 31/07/2018

A EasyBikes utiliza imagens arrematadas em pesquisas diárias. Portanto, ressaltamos que algumas imagens não são de nossa autoria ou cedidos formalmente para utilização no site. Por favor entre em contato pelo nosso formulário caso seja o autor de alguma imagem utilizada e gostaria que a mesma fosse removida.